Ir para o menu de navegação principal Ir para o conteúdo principal Ir para o rodapé

Ciências Exatas e da Terra

v. 4 n. 1 (2022)

Uso e ocupação do solo em Feira de Santana (BA) às margens do Rio Subaé

Resumo

O processo de urbanização e crescimento populacional vem se intensificando em todo o mundo, deixando suas cicatrizes registradas nas cidades através de diferentes usos e ocupações do solo. As ocupações irregulares surgem nesse contexto por diversos fatores, desde a deficiência de governança, a não aplicação de leis urbanísticas até segregação espacial. A análise do uso e ocupação do solo destaca-se nos estudos ambientais como sendo uma ferramenta na identificação de processos de degradação ambiental, sendo considerada uma aliada por melhorias urbanas, ambientais e socais. Em nosso contexto regional o Rio Subaé, que nasce em Feira de Santana, na Bahia, registra ocupações irregulares na sua área de proteção permanente (APP), supressão de cobertura vegetal, contaminação e poluição do rio por efluentes domésticos e industriais o que, determinaram na atualidade as inadequadas condições ambientais locais. Diante dessa problemática identificada, o objetivo do artigo é analisar a relação entre o meio ambiente e o uso e ocupação do solo num trecho urbano do Rio Subaé, para obter um diagnóstico da condição ambiental e verificar a validade e fiscalização dos instrumentos normativos de proteção ao meio ambiente diante de problemas ambientais locais, que ora apresentamos nesse artigo. Para tal, a pesquisa teve como base o estudo descritivo com pesquisas bibliográficas e documentais, além da pesquisa de campo através das aplicação do protocolo de avaliação rápida. Identificamos que, o atual cenário de degradação ambiental do Rio Subaé e às suas margens são também, decorrentes do uso e da ocupação do solo no município de Feira de Santana estando associados ao descumprimento de normas ambientais e à falta de fiscalização dos órgãos competentes.

Referências

  1. BARROS, A.M.F.B.; CARVALHO, C.S.; MONTANDON, D.T. O Estatuto da Cidade comentado. São Paulo: Ministério das Cidades: Aliança das Cidades, 2010.
  2. BRASIL. Lei 12.651, de 25 de Maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12651.htm. Acesso em: 17 out. 2021.
  3. BRASIL. Ministério das Cidades. Manual técnico para redução de riscos de desastres aplicado ao planejamento urbano: movimentos de massa. Brasília: Secretaria Nacional de Desenvolvimento Urbano, 2018. Disponível em: https://www.jica.go.jp/brazil/portuguese/office/publications/c8h0vm000001w9k8-att/volume6.pdf. Acesso em 29 set. 2021.
  4. CDL. CDL Feira de Santana: Histórico. Feira de Santana: CDL, [2016?]. Disponível em: http://www.cdlfs.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=50&Itemid=114. Acessado em 24 jun. 2021.
  5. CORRÊA, R.L. O espaço urbano. 4ª Edição. São Paulo: Editora Ática, 2004.
  6. FEIRA DE SANTANA. Lei Complementar No 117 de 20 de Dezembro de 2018a. Dispõe sobre o Plano diretor de desenvolvimento urbano e territorial do município de Feira de Santana – PDDU. Disponível em: https://diariooficial.feiradesantana.ba.gov.br/atos/executivo/174P5V20122018.pdf. Acesso em: 17 out. 2021.
  7. FEIRA DE SANTANA. Lei Complementar No. 120 de 20 de Dezembro de 2018b. Dispõe sobre a Política Municipal de Meio Ambiente, seus princípios, objetivos e diretrizes, reorganiza o Sistema Municipal de Meio Ambiente – SIMMA. Disponível em: https://diariooficial.feiradesantana.ba.gov.br/atos/executivo/1ERTNV26122018.pdf. Acessado em: 17 out. 2021.
  8. PMFS. Secretaria Municipal de Planejamento: Plano de drenagem – Contrato no. 332-2020-08C. Feira de Santana: PMFS, 2020. Disponível em: https://www.feiradesantana.ba.gov.br/servicos.asp?id=12&link=seplan/PLANO_DE_DRENAGEM.asp. Acessado em 22 out. 2021.
  9. FREITAS, M.I.C.; CUNHA, L. Geotecnologias aplicadas na análise da vulnerabilidade social e ambiental: um estudo piloto em municípios do Estado de São Paulo. Cultura Acadêmica, São Paulo, p. 109 – 129, 2014. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/264120253_Geotecnologias_aplicadas_na_analise_da_vulnerabilidade_social_e_ambiental_um_estudo_piloto_em_municipios_do_Estado_de_Sao_Paulo. Acessado em: 17 out. 2021.
  10. IBGE. Cidades: Feira de Santana. Feira de Santana: IBGE, 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ba/feira-de-santana/panorama. Acessado em 21 out. 2021.
  11. HEERDT, M.L; VILSON, L. Metodologia científica e da pesquisa: livro didático. 5ª ed. Palhoça: UnisulVirtual, 2007.
  12. LOBO, Eduardo A.; VOOS, José Guilherme; JÚNIOR, Edson Fiedler de Abreu. Utilização de um protocolo de avaliação rápida de impacto ambiental em sistemas lóticos do sul do Brasil. Caderno de Pesquisa, Santa Cruz do Sul, vol. 23, 2011.
  13. MARICATO, Ermínia. A cidade sustentável. In: Congresso Nacional de Sindicatos de Engenheiros – CONSENGE, 2011, Porto Velho. Anais. [...] Porto Velho: FAU, 2011.
  14. MARTINS, Rafael D’Almeida; FERREIRA, Leila da Costa. Oportunidades e barreiras para políticas locais e subnacionais de enfrentamento das mudanças climáticas em áreas urbanas: evidências de diferentes contextos. Revista Ambiente e Sociedade – ANPPAS, São Paulo, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/asoc/a/hRN4f8tPbgZFSBFHS3gb7Gf/?lang=pt#. Acessado em 20 out. 2021.
  15. MONTEIRO, M.S. Serviços ecossistêmicos e planejamento urbano: a natureza a favor do desenvolvimento sustentável das cidades. 1.ed. Curitiba: Appris, 2018. 213p.
  16. NASCIMENTO, Herlan Silva do Carmo. Avaliação da qualidade da água do rio Subaé no período de 2012 a 2015. 62f. Monografia (Bacharelado em Engenharia Sanitária e Ambiental). Universidade Federal do Recôncavo Baiano. Cruz das Almas, 2016.
  17. ONU. Nações Unidas Brasil: Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. 2015. Brasília: Casa ONU Brasil, 2015. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/sdgs. Acessado em: 17 de out. 2021.
  18. ONU. Habitat III: Nova Agenda Urbana. 2019. Disponível em: https://uploads.habitat3.org/hb3/NUA-Portuguese-Brazil.pdf. Acessado em 17 out. 2021.
  19. RUPRECHT,Theo. Enchente aumenta risco de várias doenças. Como se proteger? Revista Veja Saúde, São Paulo, fev. 2020. Disponível em: https://saude.abril.com.br/medicina/agua-de-enchente-doencas/. Acessado em: 10 set. 2021.
  20. SAITO, Silvia M. Desastres naturais: conceitos básicos. INPE, São Paulo, 2008. Ministério da Ciência e Tecnologia. Disponível em: http://www3.inpe.br/crs/crectealc/pdf/silvia_saito.pdf. Acessado em 21 out. 2021.
  21. SANTO, S.M. A expansão urbana, o Estado e as água em Feira de Santana – Bahia (1940-2010). 2012. 275 p. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2012.
  22. SILVA, Lucia e; TRAVASSOS, Luciana. Problemas ambientais urbanos: desafios para a elaboração de políticas públicas integradas. Cadernos Metrópole 19, 1º sem, pag. 27 -47, 2008.
  23. SOUZA, M. L. Mudar a cidade: uma introdução crítica ao planejamento e à gestão urbanos. 2ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.
  24. STEFFEN,W. et al. Planetary boundaries: guiding human development on a changing planet. Science, v. 347, fev. 2015. Disponível em: https://www.science.org/doi/10.1126/science.1259855. Acesso em: 18 ago. 2021.
  25. VILLAÇA, F. As ilusões do plano diretor. São Paulo: 2005. Disponível em: http://www.belem.pa.gov.br/planodiretor/pdfs/A%20ILUSAO_DO_PLANO%20DIRETOR.pdf. Acessado em: 10 out. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)